quinta-feira, julho 07, 2011

Os ditos e não ditos de Oswald de Andrade












Fazia frio em Paraty. No final da tarde do primeiro dia da Festa Literária, crianças das escolas da cidade corriam pelas passarelas recentemente pavimentadas que unem as tendas da Flip. A farra era entrar nos estandes da Folha, da Rede Cultura e da Livraria da Vila para tentar ganhar bolachinhas, balas e cappuccinos .Na pressa, atropelavam funcionários da prefeitura que davam os últimos acabamentos no paisagismo, iluminação e distribuição das equipes que vão trabalhar muito até domingo.

Dos turistas, comentários enaltecendo as novidades, espera nas filas das bilheterias para tentar comprar ingressos para alguma mesa e, perto da tenda-camarim, uma paradinha para espiar um senhor de cabelos (poucos) brancos, suéter, bigodinho clássico e um senta e levanta sem fim.

Era o senhor Antonio Candido apresentado no bem acabado programa da Flip, de maneira cuidadosamente resumida: o maior ensaísta e crítico literário do país. Aos jornalistas que estiveram com ele minutos antes da abertura, confessou que a longa viagem de carro o deixou cansado. Mas se enganaram aqueles que imaginavam que esse homem de 94 anos entraria devagar ou trôpego no palco. Chegou de chofre em meio a fala do curador Manuel da Costa Pinto que ainda tentou acabar de dar o seu recado, mas foi impedido pelo barulho ensurdecedor das palmas.

Miúdo, encostou-se no espaldar da poltrona que lhe foi reservada e ficou olhando fundo para tanta gente em pé aplaudindo. Na sequência levantou lentamente os braços e saudou a plateia, ou para ser mais precisa, os fãs.

Começou dizendo que veio para dar um depoimento. Apesar de 30 anos mais velho que Oswald de Andrade, foi seu amigo.

Disse que o homenageado de 2011 adoraria estar aqui em Paraty, afinal, Oswald apreciava fazer amigos estrangeiros, criar polêmicas, arrumar inimigos pra depois ficar amigo dos mesmos, para sempre. Coisas do modernista Oswald de Andrade brasileiro que, segundo Candido, mantinha no campo das ideias, extrema coerência: um inconformado com as injustiças sociais contra as quais lutou e fez literatura durante toda vida.

A Flip terá autores e debatedores que terão oportunidades de mostrar se essa coerência ainda circula entre intelectuais modernos que circulam por aqui. E esperar para ver.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...